quarta-feira, 11 de junho de 2008

Cores

Naquela tarde de sol morno e vento gelado ela , sentada em um velho cobertor na grama daquele parque, olhava para as nuvens; tão brancas e puras que pareciam ter saído do reino daqueles contos de fadas que tanto escutara quando pequena.
Sim, ela sentia a magia daquele momento.
Lindos desenhos formavam aqueles pedaços de cor branca em meio ao azul tão claro do céu.
Olhou para o lado e viu o corpo adormecido que ali repousava, a sombra que era por ele projetada no chão lembrava um vale de montanhas negras, mas nem por isso tristes, e sim belas...com certeza belas. Ficou por instantes comtemplando aquela sombra e divagando como podia um sentimento mudar o seu ponto de vista, semana passada rolariam lágrimas em seu rosto ao pensar em montanhas negras; semana passada só poderia pensar em montanhas negras.
Parecia tão distante, tão irreal aquela avalanche de sentimentos que experimentara dia a dia, minuto a minuto nos últimos sete meses.
Ele se mexeu no sono, despertando a ela de seus desvaneios. Ela procurou em sua bolsa seus óculos escuros e os colocou, deitando em seguida e ajeitando seu corpo junto àquele que já repousava no velho cobertor; Olhou novamente para o céu. Agora tinha um tom violeta modificado pelas lentes escuras que lhe cobriam os olhos. Não era mais azul claro, as nuvens não pareciam tão brancas como antes...tudo era mais escuro.
Escuro e belo, perfeito.
E tudo fez ainda mais sentido quando, em pleno sono, ele passou o braço pela sua cintura e a trouxe mais para perto de si.

2 comentários:

Lídia disse...

Huuuummmm


vejo alguém superando uma crise de peixonite aguda!?

[ ] Talvez
[ ] Não
[X] COSSERTESA

essae meirmã
é pra frente que se anda
vosse eH lecau
kissescallme

. samanta vanz . disse...

=)
E tudo fez ainda mais sentido quando, em pleno sono, ele passou o braço pela sua cintura e a trouxe mais para perto de si.

são estas coisas banais que tornam a nossa existência tão espetacular ;D

=**